Time lança newsletter no metaverso

Avatar



A Time publicou um comunicado para explicar a decisão de lançar a própria newsletter no metaverso.

A comunicação está no site da Time e começa com o argumento de, atualmente, é difícil estar online sem ver alguém falando sobre o metaverso, seja de maneira empolgada e positiva ou falando mal da tecnologia – que chegou para ficar.

A revista explica que praticamente todos os meios de comunicação, incluindo ela própria, publicaram artigos tentando dar sentido a tudo isso. O ruído em torno do termo “metaverso” agora é alto e constante o suficiente para torná-lo quase sem sentido.

A carta da Time questiona o que é exatamente o metaverso? Questiona o porque Mark Zuckerberg mudou o nome coorporativo do Facebook para Meta gastando milhares de dólares e levanta questionamentos sobre qual será o papel das criptomoedas e do blockchain no futuro.  E o mais importante, como tudo isso vai impactar a vida de todos.

No texto, o editor da Time, Andrew R. Chow, diz que pretende descompactar tudo isso e muito mais em um novo boletim informativo semanal focado no metaverso, chamado de Into the Metaverse. Com experiência em reportagem sobre a interseção da cultura e dos negócios, ele admite que ainda tem muito a aprender .

Em 2020, no entanto, ao mergulhar no curioso fenômeno dos tokens não fungíveis (NFT), Chow diz conversou com muitas pessoas – de Trevor McFedries a Steve Aoki – que estão dedicando suas vidas à construção do metaverso bloco por bloco. 

Espero que este boletim informativo destaque o trabalho de outros na vanguarda do metaverso: para mostrar como seus esforços já estão trazendo mudanças significativas e como um novo tipo de corrida armamentista emergiu e que definirá como nos envolvemos com a Internet e uns aos outros nas próximas décadas, explica Andrew.

Newsletter da Time explica o Metaverso

Para algumas pessoas, o metaverso tem uma definição estrita: é uma versão avançada da internet na qual você está – em vez de apenas olhar para ela. Neste singular mundo 3D, você anda como um avatar, interagindo com outros avatares; você pode comprar e vender coisas virtuais, trabalhar, formar comunidades, jogar, fazer guerra.

Dois romances de ficção científica foram fundamentais para essa concepção do metaverso: Snow Crash de Neal Stephenson , que na verdade cunhou o termo, e Ready Player One , de Ernest Cline. Em ambos os romances, o metaverso estava entrelaçado com o conceito de distopia: ele dominava uma sociedade que estava em ruínas e controlada por corporações sombrias.

Para os personagens de ambos os livros, o metaverso ofereceu a tentação de escapar de suas existências sombrias, ao mesmo tempo que reforçava estruturas de poder corruptas.

Tanto VR (realidade virtual, que normalmente usa um fone de ouvido) quanto AR (realidade aumentada, que coloca o mundo virtual em cima do mundo real) ainda precisam ter uma adoção totalmente generalizada. A quantidade de coordenação social, construção de infraestrutura e avanço tecnológico necessários para construir um metaverso universal como os retratados na ficção científica é imensa. E, o que é crucial, não está claro se isso é algo que as pessoas realmente desejam.

No entanto, também é verdade que no último ano e meio, grande parte da vida humana mudou para a internet de maneiras sem precedentes. Conforme a pandemia derrubou o trabalho e espaços sociais do mundo real o americano passou em média sete horas por dia online no ano passado, de acordo com um estudo . 

A newsletter ressalta que fomos a festas de aniversário no Zoom e enviamos presentes para o anfitrião via Amazon ou Cash App; participamos de reuniões trimestrais da empresa sobre o Microsoft Teams enquanto discutíamos sobre o CFO com nossos colegas no Slack. Gastamos bilhões de horas coletivas e centenas de milhões de dólares reais em jogos como Fortnite, Roblox e Animal Crossing. Em abril de 2020, poderíamos estar entre os 27 milhões de visitantes únicos que assistiram a um show virtual de Travis Scott em Fortnite – 67 vezes o número de pessoas que foram a Woodstock em 1969.

Andrew diz que em um sentido mais amplo, o metaverso já está aqui – em pedaços. E gostaria de definir o metaverso, para os fins deste boletim informativo, como as maneiras pelas quais nossos seres físicos e digitais estão se tornando cada vez mais confusos. 

Muitas pessoas veem o metaverso não como um mundo unificado, mas um cenário no qual seremos capazes de trazer de forma transparente a nós mesmos e às nossas coisas – da moda à arte e para gastar dinheiro – de plataforma em plataforma. As ideias de soberania digital e interoperabilidade são fundamentais: em vez de ter contas separadas no Facebook e no Twitter, nas quais tudo que você publica é propriedade dessas corporações, você poderá possuir sua personalidade digital e todas as suas ideias e pertences digitais onde quer que vá.

Por que você deveria se importar

O último ano e meio expôs os benefícios extremos e as desvantagens de nossa conexão global sem precedentes. O lado positivo é que muitas pessoas puderam continuar ganhando a vida sem precisar ir a um escritório, o que lhes deu liberdade de movimento e localização fora dos densos centros urbanos. As pessoas encontraram consolo e fuga em comunidades online e novos fluxos de receita com a venda de produtos ou arte online. Organizações e movimentos de justiça social conectaram pessoas e ideais em todo o mundo.

Por outro lado, a pandemia levou a uma das maiores transferências de riqueza da história – especificamente para os bolsos da Big Tech. Também acelerou muitas das piores tendências do mundo digital. A desinformação e o discurso de ódio se espalharam como um incêndio sob a alçada de empresas de mídia social cujo principal dever era para com as carteiras de seus acionistas. Nossos dados foram extraídos de nós, criando uma era, como diz o pioneiro da tecnologia Jaron Lanier , de não apenas publicidade direcionada, mas de “modificação de comportamento”. ]

Algoritmos atrapalharam a autoestima dos usuários mais jovens, especialmente aqueles pertencentes à Geração Z. E muitos de nós desenvolveram a fadiga do Zoom, mostrando os limites das habilidades até mesmo da tecnologia de ponta para nos conectar da forma como o faz na vida real.

Quase todos esses efeitos, tanto positivos quanto negativos, nasceram de decisões tomadas por alguns caras no Vale do Silício nas últimas duas décadas. Ideias que podem ter parecido bobas antes de existirem – assistentes virtuais, aplicativos sociais baseados em fotos, filtros de vídeo – estão moldando a maneira como nos relacionamos com o mundo e uns com os outros.

O artigo Time lança newsletter no metaverso foi visto pela primeira vez em BeInCrypto.

Marketcrypto.com.br: News

EnglishGermanPortugueseRussian