“Se o Bitcoin não se tornar mais privado, ele não sobreviverá”, declara veterano

"Se o Bitcoin não se tornar mais privado, ele não sobreviverá", declara veterano

O Bitcoin corre perigo se não houver garantia de mais privacidade aos seus usuários.

Pelo menos esta é a opinião de Andreas Antonopoulos, evangelista do Bitcoin e uma das figuras mais reconhecidas no mundo das criptomoedas.

Assim, para o autor de Mastering Bitcoin, a criptomoeda pode morrer caso a privacidade de suas transações não seja preservada.

“[O Bitcoin] não sobreviverá a um ataque planejado em nível estadual que tenta punir as pessoas por usá-la, a menos que consiga transformá-la em uma ferramenta com maiores garantias de privacidade”, disse.

Ataques podem se tornar comuns

Antonopoulos considerou que, embora atualmente haja poucas tentativas de ataque a usuários de BTC no mundo, haverá um momento em que isso será comum.

Por outro lado, o programador garantiu que os governos não podem impedir as pessoas de usar Bitcoin ou confiscar seus fundos:

“Porém eles podem confiscar sua família e jogá-los em uma masmorra. Se usar o sistema tem consequências reais para sua segurança física, então temos um problema.”

Nesse sentido, ele vê o anonimato como a única maneira de criar sistemas robustos que permitem às pessoas fazerem valer seus direitos e liberdade sem serem punidas por um sistema autoritário.

Dessa forma, para ele, é necessário transformar o criptoativo em uma ferramenta pronta para se proteger de ataques.

“Ainda não é sistematicamente perigoso. Mas ele será atacado”, destacou Antonopoulos.

Por fim, o pesquisador avaliou que mesmo que o BTC falhe, isso não significará “o fim”.

Isso porque a necessidade pode fazer com que a privacidade dos usuários seja garantida de alguma forma. E se o Bitcoin não funcionar, “talvez outro sistema o faça”.

Privacidade do Bitcoin

Embora a visão de Antonopoulos pareça estar projetada para alguns anos à frente, a verdade é que os governos já estão de olho na privacidade do Bitcoin, de outras criptomoedas e da internet em geral.

Recentemente, o Serviço Europeu de Polícia referiu-se às criptomoedas como uma ameaça às suas ações de combate a atividades ilícitas.

Nos Estados Unidos, o Internal Revenue Service (IRS) também tem como alvo a privacidade em criptomoedas.

Para isso, conta com o trabalho de empresas como Chainalysis, Elliptic ou Ciphertrace. Essas companhias atuam para rastrear movimentos com criptomoedas, inclusive as focadas em privacidade.

Leia também: Mercado de ações colapsará em 18 meses, declara bilionário

Leia também: Governos estão muito interessados em Bitcoin e blockchain, revela pesquisa

Leia também: Hashdex lança fundo que investe 100% em Bitcoin

BTC LAST NEWS: Crupto Facil