Ouro não é confiável como ativo de proteção, afirma especialista

Ouro não é confiável como ativo de proteção, afirma especialista

Ouro, prata e demais metais sempre tiveram uma boa aceitação no mercado de investimentos.

Assim, nos tempos de crise, esses metais são procurados no mercado devido ao seu papel como ativo de proteção.

No entanto, a situação está mudando rapidamente. O ouro não está conseguindo manter um bom desempenho histórico quando a inflação é contabilizada no seu valor.

Preço do ouro avançou pouco em 50 anos

No gráfico, postado por Bárbara Roth, é possível ver o desempenho de diversos ativos desde a década de 1970:

Perda de valor de diversos ativos, desde os anos 1970
Perda de valor de diversos ativos, desde os anos 1970

A imagem é intitulada “erosão temporal do valor” e mostra a forma como diversos ativos vêm perdendo valor com o passar dos anos.

Cada linha corresponde aos seguintes ativos:

  • Dourada: poder de compra de uma onça de ouro, desde 1971;
  • Amarela: erosão relativa dos investimentos em ouro, em comparação à oferta total;
  • Azul: poder de compra de um dólar investido em papéis do tesouro de três mês, desde 1971;
  • Verde: poder de compra de um dólar desde 1971.

Conforme se observa, o preço do ouro conseguiu guardar valor de forma relativamente eficiente na comparação com outros ativos.

No entanto, de acordo com a linha amarela, os investimentos em ouro estão ficando cada vez menos valiosos.

A explicação é simples: a oferta de ouro disparou desde que o metal precioso passou a ser utilizado como um ativo de reserva de valor.

Além disso, há possibilidade de que o ouro fique ainda mais disponível com o avanço da tecnologia de mineração. Como não se sabe a oferta total do ouro, é difícil estimar a sua capacidade de guardar valor.

Na postagem original de Bárbara Roth, há uma explicação ainda mais detalhada sobre o fenômeno da desvalorização do ouro.

Bitcoin e sua oferta fixa

No gráfico do TradingView, está demonstrada a evolução do preço do Bitcoin (BTC) desde julho de 2015.

BTC desde julho de 2015
BTC desde julho de 2015

Dessa maneira, a valorização do Bitcoin (em dólares) é de incríveis 2.178% desde 2015.

À época, o criptoativo custava cerca de US$ 450 (R$ 2.378,88, na cotação atual). Agora, um BTC vale US$ 10.245, cerca de R$ 54.900.

Porém, não é apenas a valorização do Bitcoin que o coloca como um ativo de proteção. Mais importante do que isso é o fato de que a oferta do Bitcoin é fixa, ao contrário do que acontece com o ouro.

Como o Bitcoin sofre reduções periódicas de emissão (evento conhecido como halving), a quantidade de BTC é limitada a aproximadamente 21 milhões de unidades.

Atualmente, cerca de 18,5 milhões de BTC já foram minerados.

Por conta da oferta limitada e o aumento da demanda do Bitcoin, a tendência é de valorização. Em contrapartida, ninguém sabe ao certo como ficará a oferta do ouro com o avanço da mineração.

Leia também: Tokens DeFi valorizam 80% mesmo durante baixa do mercado

Leia também: Bitcoin caiu, mas empresas de tecnologia perderam mais de R$ 4 trilhões em valor

Leia também: PIX pode ser a ponte da cédula para as criptomoedas, diz especialista

BTC LAST NEWS: Crupto Facil