No Brasil, 9 a cada 10 empresas sofrem ataques cibernéticos

No Brasil, 9 a cada 10 empresas sofrem ataques cibernéticos

Mais de 90% das empresas no México e no Brasil foram vítimas de pelo menos dois ataques cibernéticos no período de um ano.

Assim, entre abril de 2019 e abril de 2020, nove em cada 10 empresas foram vítimas desse tipo de ataque.

Os dados são de um levantamento da empresa de segurança cibernética Tenable to the firm Pesquisa Forrester Consulting, publicado recentemente.

Importância da cibersegurança

estudo, denominado “A ascensão do executivo de segurança alinhado aos negócios”, entrevistou membros de 59 empresas do Brasil e 104 do México.

Além disso, o estudo também cobriu organizações de outros oito países da Europa e Ásia, bem como dos Estados Unidos e da Austrália.

No México e no Brasil, mais de 90% das empresas entrevistadas foram atacadas em mais de uma ocasião no período coberto pela investigação.

Em ambos os países, mais de 70% das empresas foram vítimas de ataques cibernéticos quatro ou mais vezes.

Em 36% dos casos, os ataques resultaram na perda de dados do cliente ou do funcionário, além de quedas de produtividade.

Assim, as perdas econômicas ou roubo de fundos afetaram 35% das empresas, enquanto o roubo de identidade afetou mais de 30% delas.

Brasil sofre com ameaças cibernéticas

De acordo com os dados coletados, 54% dos entrevistados no México experimentaram um aumento nos ataques cibernéticos nos últimos 24 meses.

Já no Brasil, esse aumento corresponde a 67% das empresas.

O relatório concluiu que falta maior atenção à segurança cibernética nas empresas, levando em consideração que apenas 43% dos entrevistados revisam periodicamente as métricas de desempenho da segurança cibernética.

O estudo afirma ainda que “as ameaças à cibersegurança prosperam em um clima de incerteza”.

Assim, o relatório mostrou que 41% dos ataques correspondem a malware ou phishing relacionado ao coronavírus.

Esta avaliação e os dados percentuais são consistentes com a visão da INTERPOL sobre a pandemia e seus efeitos sobre a segurança cibernética.

Já que no início de agosto, o secretário-geral da entidade, Jürgen Stock, garantiu que o coronavírus também é uma “ameaça à nossa saúde cibernética”.

Leia também: Brasil vai receber 10 caixas eletrônicos de Bitcoin

Leia também: Criptomoeda valoriza 186% após ser listada na Coinbase

Leia também: Blockchain pode impulsionar a adoção do 5G, diz Forbes

BTC LAST NEWS: Crupto Facil