Leis contra lavagem de dinheiro impedem menos de 0,1% dos crimes

Leis contra lavagem de dinheiro impedem menos de 0,1% dos crimes

As políticas de prevenção à lavagem de dinheiro são implementadas através de legislação e da atuação dos agentes financeiros.

Isso inclui os bancos, as operadoras de cartão de crédito, as corretoras de investimentos e outras empresas do setor.

No entanto, um estudo realizado por Ronald Pol, da Faculdade de Direito de La Trobe, na Austrália, mostra que as práticas contra a lavagem de dinheiro são extremamente ineficientes.

Dessa maneira, cerca de 99,95% das atividades criminosas conseguem superar as práticas preventivas implementadas pelas instituições financeiras.

Práticas de prevenção à lavagem de dinheiro não funcionam

O artigo publicado por Pol está disponível na internet em inglês.

No documento, o estudioso tirou várias conclusões sobre as práticas preventivas à lavagem de dinheiro:

  • Apenas 0,1% das transações criminosas são barradas pelos mecanismos preventivos das empresas;
  • Bancos, cidadãos e pagadores de impostos são mais afetados pelas medidas do que os criminosos;
  • As medidas aplicadas pelas instituições financeiras não são baseadas em estudos e evidências rigorosas;
  • Os custos de compliance superam o valor recuperado pelas instituições e agentes públicos em mais de 100 vezes.

Ademais, vale ressaltar que o termo “compliance” descreve o conjunto de políticas aplicadas pelas empresas que desejam atuar de forma ética e legal.

Contudo, a suposta boa intenção dos que formulam as regras de compliance raramente são traduzidas em ações efetivas, segundo Pol.

Atualmente, é difícil estimar os custos que as medidas de prevenção à lavagem de dinheiro causam para os governos, as empresas e os cidadãos.

De toda maneira, um estudo da LexisNexis afirma que as empresas do setor financeiro estadunidenses gastam, em média, US$ 14,3 milhões (R$ 79,18 milhões) por ano em ações de compliance contra a lavagem de dinheiro.

Vazamento de documentos da FinCEN

Recentemente, documentos da Rede de Combate a Crimes Financeiros dos Estados Unidos (FiNCEN) foram vazados ao público.

Através deles, descobriu-se que grandes bancos ajudaram a lavar R$ 10 trilhões entre os anos de 2000 a 2017.

Assim, instituições como o HSBC, o Deutsche Bank e o JPMorgan foram coniventes com o dinheiro recebido de atividades criminosas.

O dinheiro oriundo dessas transações serviu para financiar cartéis de narcotraficantes, terroristas, milícias e outras ações ilegais.

Leia também: “Tsunami institucional está chegando ao Bitcoin”, diz Tyler Winklevoss

Leia também: Trader revela como transformou 0,19 BTC em 8 Bitcoins em 3 semanas

Leia também: BitcoinTrade já deu quase R$ 1 milhão em Bitcoin a clientes

BTC LAST NEWS: Crupto Facil