Indeal entra com pedido de falência no Tribunal de São Paulo

Indeal entra com pedido de falência no Tribunal de São Paulo

A suposta pirâmide financeira Indeal entrou com um pedido de falência na 2ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais de São Paulo/SP.

O pedido foi feito na última semana, mais precisamente no dia 17 de dezembro.

De acordo com um levantamento da Receita Federal, a empresa sediada em Nova Hamburgo (RS) deve, ao todo, mais de R$ 1,1 bilhão a cerca de 23 mil clientes.

Destaca-se que a Indeal prometia altos rendimentos com criptomoedas e operava sem a autorização do Banco Central ou da Comissão de Valores Mobiliários do Brasil (CVM)

Indeal pediu falência, e agora?

Agora que a Indeal entrou com um pedido de falência, caberá ao tribunal julgar se o pedido procede. Se o juiz julgar procedente, ele irá indicar um administrador-judicial para conduzir o processo.

Em seguida, serão analisadas as informações contábeis da empresa, seus bens e o motivo do pedido de falência.

Por fim, há a fase de liquidação em que os bens arrecadados são vendidos e os credores são pagos, por ordem de preferência.

Vale ressaltar que os clientes da empresa estarão entre os últimos a receber. Isso porque os bens e recursos da Indeal podem não ser suficientes para quitar todas as dívidas.

Como a empresa é acusada de crime contra o sistema financeiro nacional, a União também deve ser ressarcida. Assim, pode não sobrar nada para as vítimas do esquema.

Sobre a Indeal

Como mencionado, a Indeal era uma empresa que prometia rendimentos de 15% sobre supostas operações com criptomoedas.

Em maio de 2019, a Polícia Federal deflagrou a Operação Egypto e cumpriu 10 mandados de prisão preventiva e outros 25 de busca e apreensão.

Além disso, foram expedidas ordens judiciais de bloqueio de ativos financeiros em nome de pessoas físicas e jurídicas. Na ocasião, diversos líderes da empresa foram presos e carros de luxo foram apreendidos para serem leiloados.

As ações ocorreram em diversas cidades do Rio Grande do Sul e São Paulo.

Mais recentemente, como noticiou o CriptoFácil, o Departamento de Justiça dos Estados Unidos apreendeu US$ 24 milhões (R$ 134 milhões) em criptomoedas após um pedido do governo brasileiro.

De acordo com o DOJ, os fundos estão vinculados ao esquema da InDeal. Mais precisamente, ao sócio Marcos Antônio Fagundes.

Leia também: CBN aponta Bitcoin como melhor investimento do Brasil

Leia também: Stablecoins vão dominar pagamentos em 2021, afirma CEO da Binance

Leia também: Empresa lança criptomoeda da Coinbase e já vale mais de R$ 1.000

BTC LAST NEWS: Crupto Facil