Empresas confiam mais em fintechs do que em bancos tradicionais, revela pesquisa

Empresas confiam mais em fintechs do que em bancos tradicionais, revela pesquisa

Uma pesquisa recente revelou que as Pequenas e Médias Empresas (PMEs) que utilizam serviços financeiros confiam mais nas fintechs do segmento do que nos bancos tradicionais.

Conforme publicado pelo Valor Investe nesta terça-feira, 11 de agosto, tais dados foram revelados por uma pesquisa da plataforma de busca e comparação de softwares Capterra.

A empresa buscou entender o cenário da adoção das startups inovadoras da área financeira no Brasil.

Para isso, entrevistou 349 gerentes responsáveis pelas áreas financeira e de contabilidade em diferentes companhias.

71% das PMEs confiam nas fintechs

Os resultados do estudo mostraram que 71% das PMEs que utilizam fintechs têm um nível de confiança alto (55%) ou muito alto (16%) nos serviços contratados.

Por outro lado, entre as PMEs que usam instituições financeiras tradicionais, a confiança é bem menor. O nível de confiança alto é de 28% e muito alto apenas de 4%, totalizando 32%.

Dentre as fintechs de pagamentos mais usadas pelas PMEs estão aquelas focadas em pagamento (60%) e gestão financeira (61%).

Além disso, 51% dos entrevistados disseram que utilizam em seus negócios os serviços das fintechs em uma ou mais entre sete áreas.

São elas: pagamentos, gestão financeira e contabilidade, empréstimo e negociação de dívidas, investimentos, blockchain e criptomoedas, seguros e financiamento coletivo.

Satisfação também é maior

Outro aspecto levantado pela pesquisa foi a satisfação dos clientes. Assim, o estudo concluiu que o nível de satisfação também é maior entre as PMEs que usam os serviços das fintechs.

Isso porque 57% disseram estar satisfeitos com os serviços contratados, enquanto 18% disseram estar muito satisfeitos.

Já entre as PMEs que usam instituições financeiras tradicionais, o percentual cai para 14% e 2%, respectivamente.

Além disso, 75% dos entrevistados destacaram a praticidade como sendo o principal motivo para migrar para uma fintech.

Dentre os entrevistados, 56% também apontou menos burocracia para contratar os serviços como outro fator de migração.

“Grandes instituições financeiras, como bancos, têm a capacidade de operar em diversos setores e oferecer uma maior variedade de produtos. Já as fintechs utilizam a seu favor o fato de contarem com operações mais enxutas para focar em serviços destinados a atender demandas pontuais de maneira mais ágil”, comenta o analista Lucca Rossi, do Capterra, responsável pela pesquisa.

Crescimento de fintechs no Brasil

Ainda segundo o Valor, o último mapa de fintechs do Brasil mostrou um crescimento substancial no número de empresas do setor em operação no país.

De acordo com o levantamento da empresa de consultoria Finnovation, o número saltou de 377 em 2018 para 504 em 2019. Em outras palavras, ocorreu um aumento de 34%.

Leia também: Empresa listada na Nasdaq investe mais de R$ 1 bilhão em Bitcoin

Leia também: Influenciadores do Twitter são acusados de manipular o mercado financeiro

Leia também: Reguladores discutem tokenização de valores mobiliários no Brasil

BTC LAST NEWS: Crupto Facil