BitMEX ataca satélites de Bitcoin: “servem para nada”

BitMEX ataca satélites de Bitcoin: "servem para nada"

A equipe da exchange BitMEX conectou um nó de Bitcoin ao satélite Blockstream.

Segundo a empresa, a integração foi feita para testar sua capacidade de baixar e verificar a blockchain, sem usar uma conexão de internet.

Assim, durante os testes dessa plataforma de satélite, a equipe descobriu que o sistema “tem o potencial de melhorar as características de resistência à censura da rede Bitcoin”.

Por outro lado, como pode ser impraticável para o usuário comum, não serve para muita coisa, segundo a empresa.

Sobre a instalação

Em uma publicação, a equipe descreveu o passo a passo de sua experiência ao instalar o sistema de satélite Blockstream.

Eles observaram que programar o nó e conectar a antena ao satélite é fácil. No entanto, quanto à utilidade, eles disseram: “temos as nossas dúvidas”.

O equipamento em questão tem um custo de US$ 1.200, que, segundo a BitMEX, é um tanto caro.

Além disso, é composto pelo kit Blockstream Satellite Pro e pela antena de tela plana que a empresa distribui.

Suas especificações incluem uma largura de banda de 1,2 MGz, que permite a transmissão de arquivos de até 1 MB. Porém, sua recepção às vezes depende do clima e de outros fatores ambientais.

Nas palavras da BitMEX, a instalação foi mais fácil do que o esperado.

O único obstáculo foi o alinhamento da antena com o satélite. Entretanto, levou apenas 15 minutos para que a equipe entendesse como usar a ferramenta de alinhamento.

Portanto, o restante consistiu na instalação de um programa customizado da Blockstream. A ferramenta permite a criptografia de dados no laptop, que usa o sistema operacional Linux.

Depois, só foi preciso instalar a versão 0.19.1 do Bitcoin Core.

Capacidade do equipamento

Em relação à capacidade do sistema de rodar um nó Bitcoin, a equipe do BitMEX observou que o nó conectado ao satélite apresentava um pequeno atraso em relação aos nós conectados à Internet.

Desta forma, o recebimento e a verificação do histórico completo da blockchain implica em um atraso de cerca de dois minutos.

Por fim, a equipe da BitMEX destacou que é altamente improvável que um usuário precise sincronizar um nó Bitcoin completo e não tenha acesso à internet.

Além disso, pontuou que a necessidade de ter todo o equipamento necessário para se conectar ao satélite e verificar sua transação de entrada dificulta imensamente seu uso.

Leia também: Bitcoin não vai iniciar alta por 3 motivos, aponta analista

Leia também: CEO do Twitter diz: Bitcoin é a melhor criptomoeda da atualidade

Leia também: Estados Unidos pode causar alta no Bitcoin em breve

BTC LAST NEWS: Crupto Facil