Bitcoin terá aceitação universal, afirma jurista brasileiro

Bitcoin terá aceitação universal, afirma jurista brasileiro

O ex-presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, desembargador José Renato Nalini, falou sobre Bitcoin. Em um texto publicado no Estadão, Nalini disse que a criptomoeda terá aceitação universal.

Além disso, Nalini acredita que o Bitcoin contribuirá para a extinção do papel-moeda e de outros meios de pagamento. Segundo ele, o Bitcoin será a “moeda corrente do futuro”.

“Talvez não haja mais papel moeda, nem cartão de crédito (no futuro) pois o Bitcoin terá uso corrente”, destacou.

Brasil pós-pandemia

Em seu texto, Nalini discute como será o Brasil pós-pandemia, especialmente depois da vacinação. E o Bitcoin não é o único destaque.

Para o desembargador, a tecnologia blockchain também fará parte do futuro. Em um cenário próximo, ela será parte fundamental da vida das pessoas, assim como a Internet e os smartphones são hoje.

“Ele sabe que o mundo em que ele for adulto precisará de alguém expert em inteligência artificial, machine learning, internet das coisas, especialista em big data, blockchain e realidade aumentada.”

Contudo, Nalini destacou que esse não será um caminho fácil. Para ele, é preciso que o Brasil invista em educação, cujo processo, em sua visão, está “estagnado” em nosso país.

Para ele, uma disciplina que precisa ser urgentemente inserida nas escolas é a de programação. Outras profissões ligadas à tecnologia também são citadas como áreas do futuro:

  • Designer de gamificação;
  • Arquitetura digitais;
  • Especialista em design 3D;
  • Especialista em armazenamento de dados;
  • Programador pessoal;
  • Condutor remoto de drone;
  • Entre outras.

Desembargador abraça o Bitcoin

Esta não é a primeira vez que Nalini fala abertamente sobre o Bitcoin. A criptomoeda foi tema de um texto escrito pelo desembargador em 2017.

Intitulado O bitcoin é solução?, o texto foi escrito em maio, antes do rali histórico daquele ano. No texto, Nalini defende o uso do Bitcoin como substituto do dinheiro físico. Para ele, isso ajudaria a reduzir crimes como roubo de bancos e lavagem de dinheiro.

“Se a tecnologia disponível já permite criar mo­edas digitais como o Bitcoin, para transferir valores em tempo real, sem taxas e sem passar pelos bancos, por que não se servir dessa possibilidade comprovada e reduzir a fabricação, a circulação e o transporte de dinheiro? (…) Eliminar os riscos, adotar outras práticas, surpreender o infrator com inteligência e contemporaneidade pode ser mais eficiente do que exigir que sacrificados agen­tes da segurança continuem a morrer”, disse.

Trata-se de uma visão oposta ao senso comum de que criptomoedas facilitam crimes. E, levando em conta as características da blockchain, o desembargador parece ter estudado-a bem.

Leia também: 92% das criptomoedas com grande volume subiram mais que o Bitcoin

Leia também: Rapper revela sua carteira de criptomoedas e investidores debocham

Leia também: Possível colapso do USDT pode prejudicar Ethereum mais do que o Bitcoin

BTC LAST NEWS: Crupto Facil