Bitcoin on-chain: taxa de hash retoma crescimento na rede do BTC

Avatar



Nesta análise on-chain, serão considerados vários indicadores fundamentais que destacam a integridade da rede Bitcoin (BTC): taxa de hash e faixa de dificuldade de mineração.

Além disso, a análise aponta para a aceleração do volume total de transferência de BTC on-chain, que atingiu o máximo em cinco anos. Tudo isso no contexto da alta do preço do Bitcoin, que está se recuperando fortemente e retomando sua alta em direção a uma nova alta de todos os tempos.

Bitcoin retoma tendência de alta

Nos últimos dois meses, o Bitcoin (BTC) tem se consolidado em uma faixa entre o fundo de US$ 40.596 e o pico de US$ 52.708. Além disso, essas áreas são adjacentes aos níveis de retração de Fibonacci de 0,382 e 0,618 para todo o movimento descendente da máxima histórica em US$ 64.895 alcançada em 14 de abril de 2021 (linha amarela).

O intervalo de consolidação foi interrompido no dia 6 de outubro e, no momento da publicação, o BTC está se aproximando de US$ 56.000. Portanto, um rompimento acima do pico no dia 6 de setembro em US$ 52.810 é um sinal de alta que pode levar a uma continuação da tendência de alta em direção à nova máxima histórica. No momento, o BTC está cerca de 20% abaixo dessa meta.

Fonte: Tradingview

O rompimento acima do pico anterior anda de mãos dadas com leituras otimistas de indicadores técnicos em alta. No entanto, é importante notar que a retomada da tendência de alta ocorre com o volume de negócios em declínio constante (linha azul), cujo pico local ocorreu no crash do dia 19 de maio e caiu em US$ 30.000. Isso significa que podemos esperar uma grande mudança no preço do BTC nas próximas semanas ou meses.

Taxa de hash recupera altas

A taxa de hash da rede Bitcoin é um de seus parâmetros fundamentais. É uma medida não apenas da velocidade e desempenho da rede, mas também de sua segurança. A taxa de hash estima o número médio de hash por segundo que todos os mineradores BTC produzem.

Desde o início da rede Bitcoin (BTC), temos visto um valor cada vez maior da taxa de hash, que, no entanto, sofre correções ocasionais. Quase sempre estão relacionados a correções no preço do BTC.

O maior declínio já registrado na taxa de hash foi registrado no período entre abril a junho de 2021, quando o Bitcoin caiu de ATH para o mínimo na área em US$ 30.000. No dia 27 de junho, a taxa de hash estava em 61 milhões de TH/s – o nível mais baixo desde meados de 2019 (círculo vermelho). Um fator chave neste declínio foi o FUD em torno da proibição de mineração BTC da China.

Fonte: Glassnode

No entanto, a rede BTC provou mais uma vez sua robustez e a taxa de hash está crescendo dinamicamente desde então. Nos últimos dias, seu valor voltou aos picos alcançados no final de 2020 e início de 2021 (retângulo verde). No dia 2 de outubro, ela atingiu 180 milhões de TH/s, o que é quase três vezes maior do que a baixa de junho.

O analista de mercado @caprioleio comentou em um tuíte sobre essa rápida recuperação da rede Bitcoin:

“Há um ano, 60% da rede estava na China. Em maio, a rede Bitcoin teve suas pernas e braços cortados. Eles voltaram a crescer completamente em apenas 6 meses”.

Grande migração da dificuldade de mineração de BTC

O indicador Difficulty Ribbon usa várias médias móveis (MA) da dificuldade de mineração BTC. Sua compressão tem sido historicamente um bom sinal para a compra de Bitcoin. O criador do indicador é Willy Woo.

No contexto de uma recuperação da taxa de hash, o analista da rede @Negentropic_ tuitou um gráfico da faixa de dificuldade. Ele afirma que o indicador “em breve sinalizará uma recuperação positiva, à medida que mais mineiros voltem a ficar online”. Ele chama esse processo de “grande migração”.

Fonte: Twitter

Além disso, o analista acrescenta que o declínio drástico na faixa de dificuldade de mineração e taxa de hash da rede Bitcoin pode ser comparado a um evento de mercado em baixa semelhante em 2018. Naquela época, uma forte tendência de alta começou após um sinal positivo do indicador de faixa de opções. Isso levou o BTC a um pico próximo a US$ 14.000 no final de junho de 2019.

Recorde de transações on-chain

Mais um indicador parece interessante na perspectiva do aumento do preço do Bitcoin e da taxa de hash da rede. É o volume total de transferência registrado pelos dados em cadeia. O indicador conta o número total de moedas que foram transferidas com sucesso pela rede.

Acontece que, desde meados de setembro, este indicador registra um pico de cinco anos (área verde), e a quantidade média de BTC transferida é cerca de duas vezes maior que nos melhores períodos do ciclo anterior.

Fonte: Glassnode

Além do mais, isso está acontecendo com o declínio do volume de negociação nas exchanges, conforme mencionado na primeira seção. O analista on-chain @mskvsk apontou isso em um tuite:

“Uma quantidade recorde de #Bitcoin foi movida nas últimas duas semanas. Algo está se formando. Arma contra cabeça, a máxima histórica pode acontecer mais cedo do que pensamos”.

 

Marketcrypto.com.br: News

EnglishGermanPortugueseRussian