Bitcoin é duramente criticado por diretor do Banco Central da França

Bitcoin é duramente criticado por diretor do Banco Central da França

A adoção do Bitcoin está crescendo entre as empresas privadas e os grandes fundos de investimentos.

De maneira geral, essa é uma excelente notícia para os entusiastas das criptomoedas.

Através da aceitação de grandes empreendedores, o Bitcoin e os demais criptoativos aumentam a sua base de investidores.

Dessa maneira, uma pressão positiva sobre o preço desses ativos é exercida pelo mercado, através do aumento da demanda.

No entanto, entre os órgãos públicos, a história é diferente. Como eles detém o monopólio da emissão do dinheiro fiduciário, há pouco interesse em incentivar as moedas digitais nesse momento.

No cenário internacional, apenas a China está avançada na criação de uma moeda digital. Ao menos, de forma pública.

Agora, um dos diretores-gerais do Banco Central francês acaba de publicar um artigo no qual “detona” o Bitcoin.

Comparação da volatilidade do Bitcoin com outros ativos
Comparação da volatilidade do Bitcoin com outros ativos

“Bitcoin é um mito”

No artigo publicado no site do Banco Central da França, Christian Pfister afirma que o Bitcoin é um “pseudo-dinheiro”.

Além disso, Pfister alega que o Bitcoin não vai guardar valor no futuro.

Na imagem acima, que faz parte de um artigo do economista, ele analisa a volatilidade do Bitcoin e a compara com outros ativos e índices do mercado.

A opinião de Pfister é extremamente importante para o futuro das criptomoedas na França. Isso acontece porque, além de ser um dos diretores-gerais do Banco, Pfister integra o grupo de estudos da instituição sobre uma possível CBDC.

A sigla CBDC significa, numa tradução livre, qualquer moeda digital emitida por um banco central.

Segundo o especialista, o Bitcoin é utilizado primordialmente para duas funções:

  • Investimentos meramente especulativos sobre o valor da moeda;
  • Meio de pagamentos anônimo, que auxilia a privacidade ao mesmo tempo em que permite o desenvolvimento de atividades ilegais.

No artigo inteiro, que está disponível apenas na língua francesa, Pfister tece diversas outras críticas sobre o Bitcoin.

No geral, Europa tem uma visão positiva sobre as criptomoedas

A visão negativa de Christian Pfister sobre o Bitcoin é, de certa forma, surpreendente.

No geral, os países que integram a União Europeia são tidos como locais receptivos à tecnologia blockchain e às criptomoedas.

Assim, desde 2019, há rumores de que a União Europeia está planejando o lançamento da sua própria criptomoeda.

A ação seria uma resposta ao avanço da China no território das criptomoedas. Atualmente, o governo chinês está numa fase avançada de implementação da sua moeda digital.

Outra “ameaça” à soberania do Euro vem do Facebook, que está desenvolvendo a criptomoeda conhecida como Libra.

O que resta é aguardar para ver se a visão de Pfister vai ser capaz de influenciar negativamente a adoção das criptomoedas pela França e pela União Europeia.

Leia também: Bitcoin pode atingir R$ 100 mil até o fim do ano, defende famoso bilionário

Leia também: Empresa compra R$ 1,3 bilhão em Bitcoin e valoriza 16% na Nasdaq

Leia também: Valorização do Bitcoin bate ouro, IBOV, Nasdaq e S&P 500 em 2020

BTC LAST NEWS: Crupto Facil